Revenda de luxo: uma estratégia de segunda mão para marcas em 2022-2023

A oportunidade

  • O mercado de artigos usados ​​de luxo está crescendo quatro vezes mais rápido do que o mercado de luxo primário, a 12 por cento ao ano contra 3 por cento. A revenda de luxo já representa um mercado de US $ 24 bilhões hoje.
  • Conectados os revendedores estão impulsionando o crescimento do mercado de usados ​​muito além do que as lojas físicas já faziam antes.
  • o circular economia é outro impulsionador do crescimento da revenda de luxo, alimentado, em parte, pelas gerações mais jovens ricas e seu desejo por mais sustentabilidade.
  • A popularidade de limitado coleções cápsulas e quedas de moda para aumentar a escassez de luxo também estão alimentando um grande mercado de segunda mão de itens novos ou quase novos.
  • o durável e atemporal A natureza dos bens de luxo os torna adequados para o mercado de revenda.

O desafio

  • A maioria das marcas de luxo ainda precisa capitalizar no crescente mercado de revenda. As marcas de luxo hesitam em incentivar a revenda por medo de canibalizar as vendas de novos produtos e diluir a exclusividade de suas marcas.
  • Os sites de revenda de luxo online de rápido crescimento estão mudando drasticamente o cenário de revenda de luxo em direção a um ecossistema mais consolidado.
  • Ainda assim, o impacto geral positivo da revenda deve ser colocado em perspectiva. Muitos relatórios de revenda defendem sites de revenda, mas são encomendados pelos próprios jogadores de revenda.
  • Os revendedores estarão competindo entre si por parcerias diretas e alianças estratégicas com marcas de luxo, na esperança de ser a plataforma que vende vintage em seu nome.

A solução

  • As marcas de luxo precisam considerar o ciclo de vida de seus produtos além da primeira venda.
  • As marcas têm interesse em garantir que seus produtos premium sejam sempre exibidos com atenção, inclusive no mercado de segunda mão.
  • O mercado de segunda mão é uma oportunidade para marcas de luxo apoiarem objetivos sustentáveis ​​de longo prazo.
  • Os compradores de primeira mão de bens de luxo que podem vender seus itens usados ​​no mercado de segunda mão têm maior probabilidade de comprar outro bem de primeira mão.

Este artigo faz parte de uma série sobre o futuro da revenda de luxo. Descubra o resto da série:

  1. Revenda de luxo: como o Blockchain ajuda a combater a falsificação e a melhorar a rastreabilidade
  2. Como o valor ao longo da vida impulsiona a compra de luxo pela primeira vez
  3. Os 10 melhores sites de revenda de designers para comprar luxo de segunda mão online

O mercado de bens usados ​​de luxo está crescendo e não mostra sinais de desaceleração. Desreguladores de revenda - especialmente sites de remessa de luxo online - estão se posicionando como alternativas conscientes à moda rápida, explorando as atitudes em mudança dos consumidores afluentes em relação à sustentabilidade, experiência de luxo e o conceito de propriedade.

As marcas de luxo tradicionalmente se esquivam do mercado de segunda mão. Mas eles tem que repensar essa postura.

Neste relatório, exploraremos os principais motivadores por trás do florescente setor de revenda de luxo e avaliaremos como as marcas de luxo podem ganhar algum valor neste mercado secundário. De iniciativas conjuntas com revendedores a empreendimentos de revenda internos, você aprenderá o que significa revenda de luxo e como marcas sofisticadas podem participar desse mercado em rápida evolução e crescimento rápido.

Definição de mercado secundário: O significado de revenda de luxo O mercado secundário de bens premium e de luxo refere-se ao mercado onde os consumidores compram e vendem itens de marca usados. Os vendedores do mercado secundário confiam seus produtos a uma loja de consignação ou tentam vendê-los diretamente. Os compradores, por outro lado, têm a oportunidade de adquirir itens de design com desconto em sites de revenda de segunda mão. O digital está transformando o setor de revenda de luxo, facilitando as conexões com o mercado secundário e acelerando as transações. 

O mercado de bens de luxo de segunda mão não é novo, mas agora está no centro das atenções ao se tornar uma das tendências de luxo de crescimento mais rápido.

O estigma anteriormente associado à compra de itens usados ​​está desaparecendo.

Até as celebridades estão endossando abertamente produtos de luxo usados. As Kardashians-Jenners, por exemplo, estão entrando no mercado de revenda, com o lançamento da Kardashian Kloset. O site de comércio eletrônico vende itens como roupas, sapatos e bolsas que pertenceram a familiares de celebridades.

A revenda de luxo - compra e venda de bens de luxo usados ​​- é um negócio em expansão, alimentado por plataformas digitais como The RealReal, Vestiaire Collective, Fashionphile, Chrono24, Watchfinder & Co. e muito mais. O primeiro IPO bem-sucedido de um varejista de luxo usado, TheRealReal, em junho de 2022-2023, confirma o crescente interesse no mercado de revenda e uma indicação clara de que vale a pena ficar de olho no mercado de usados.

Estimado em cerca de US $ 24 bilhões em 2022-2023, o mercado de luxo de segunda mão responde por cerca de 7% do mercado de bens pessoais de luxo de US $ 365 bilhões. Porém, o mais interessante é que o mercado de produtos usados ​​está crescendo quatro vezes mais rápido do que o mercado primário e deve dobrar de valor nos próximos cinco anos. Isso cria oportunidades, bem como desafios para marcas de luxo.

34%

dos consumidores True-Luxury - consumidores com média de $ 44.000 em gastos totais de luxo - vendem produtos de segunda mão, enquanto 26% compram bens usados ​​(BCG x Altagamma)

As vendas de produtos de luxo de segunda mão ou vintage - de Burberry a Gucci e Louis Vuitton - estão prosperando em sites de remessa de luxo e capturando as cobiçadas gerações de jovens abastados.

Embora pareça que a revenda de luxo está se tornando mais amplamente aceita, a maioria das marcas de luxo ainda não controla seu mercado de reposição.

80%

dos participantes do mercado de segunda mão usam canais online para se informar e negociar. (BCG x Altagamma)

Acostumadas a exercer um controle estrito da marca e da distribuição, as marcas de luxo têm uma relação incerta com as revendas. Algumas marcas de luxo estão entrando no mercado de luxo de segunda mão para atrair os clientes mais jovens e abastados, aumentar as vendas e suas credenciais de sustentabilidade.

Mas nem todos estão a bordo.
A casa de moda Chanel entrou com ações judiciais contra o The RealReal e a empresa de remessas vintage What Goes Around Comes Around, por supostamente prejudicar a reputação e o apelo da marca e vender produtos falsificados.

Os quatro principais motores do crescimento da revenda de luxo

Quatro impulsionadores principais estão apoiando o crescimento do mercado de revenda de luxo: digital, acessibilidade, cobrança e mudanças nas preferências do consumidor em relação à sustentabilidade e experiências.

1. Sofisticação crescente e consolidação do mercado de revenda de luxo: as plataformas digitais aprimoram a experiência de compra de segunda mão

O mercado global de revenda de luxo tem sido historicamente fragmentado em pequenas butiques locais e transações pessoais com alcance limitado do consumidor. O mercado agora caminha para a consolidação. A crescente profissionalização dos canais de comercialização conquistou consumidores afluentes em todo o mundo, oferecendo mais transparência e confiança.

As plataformas de revenda de luxo on-line estão transformando o mercado de segunda mão, oferecendo uma experiência completa de ponta a ponta com muito mais marcas e produtos usados ​​certificados. Os sites de revenda também estão competindo para oferecer serviços premium extras, como curadoria, autenticação e experiências personalizadas impulsionadas por profundos insights de dados.

Centrando na experiência do consumidor - melhorando a facilidade de venda de roupas usadas, agilizando a logística, oferecendo plataformas de compra online envolventes e garantindo qualidade - o recommerce está mais conveniente e acessível para os consumidores do que nunca.

2. Acessibilidade: a revenda de luxo oferece aos clientes a capacidade de obter acesso a itens de luxo a preços acessíveis

A revenda de luxo está levando produtos de luxo a um público mais amplo. O mercado de segunda mão oferece uma gama única de produtos a preços acessíveis para os compradores e uma oportunidade de renda extra para os vendedores.

Se os vendedores de segunda mão tendem a ser clientes existentes, os compradores de segunda mão são de fato mais propensos a serem clientes que são novos na marca e podem precisar ser adquiridos por meio de gastos sociais pagos ou de marketing.

3. Capacidade de cobrança: a revenda de luxo pode revelar colaborações raras e esgotadas ou edições exclusivas limitadas

Uma grande vantagem do mercado de segunda mão é a chance para os compradores afluentes comprarem as coleções da temporada anterior, joias vintage, lançamentos de edição limitada, exclusividades de streetwear esgotadas e itens perdidos da primeira vez.

Os bens de luxo e a escassez embutida em suas colaborações exclusivas significam que eles mantêm seu valor de revenda e os tornam altamente colecionáveis. Os sites de revenda de luxo estão explorando essa cultura de colecionador.

A geração Y e a geração Z estão adotando a moda de segunda mão 2,5 vezes mais rápido do que outras faixas etárias.

- ThredUp

4. Mudança geracional: a mudança das preferências do consumidor alimenta o mercado de revenda

Existem duas motivações principais por trás da mudança no comportamento de compra dos compradores de luxo que explicam o crescimento da economia de segunda mão de alta qualidade:

Compra consciente: buscando a sustentabilidade

Consumidores modernos e ricos cada vez mais loja com um propósito. Eles são movidos por um compromisso com a sustentabilidade.

64%

da Geração Z e da Geração Y são influenciados pela sustentabilidade ao fazer compras. (BCG x Altagamma)

“Uma Empresa de Luxo Sustentável”

TheRealReal desenvolveu uma Calculadora de Sustentabilidade voltada para o consumidor que estima quanto é economizado em água, energia e gases de efeito estufa (GEE) ao comprar o item usado em vez de um novo. Também permite que os consignatários entendam o impacto ambiental de suas ações em tempo real.

Luxo experiencial: querendo novidades

Consumidores de luxo jovens e abastados tendem a valorizar o acesso ao luxo mais do que possuir bens de luxo para sempre. Isso é o que chamamos de transformação experiencial do luxo.

Neste novo contexto, as compras de segunda mão são percebidas como uma forma responsável para as novas gerações de afluentes adquirirem algo temporariamente, sem contribuir para o impacto negativo no ambiente da compra de fast fashion.
Combinado com a necessidade de mostrar constantemente novos estilos nas redes sociais, os compradores de luxo estão se voltando para bens usados ​​para satisfazer seu desejo de troca frequente de guarda-roupas.

Como a revenda certificada e autêntica pode ser relevante para marcas de luxo?

O relacionamento cada vez maior e mais próximo com o mercado de revenda de luxo pode oferecer às marcas de luxo quatro amplas oportunidades.

1. Incentivando vendas e marketing

Conquiste novos clientes: a revenda pode ser uma porta de entrada para marcas de luxo para consumidores aspiracionais

O mercado de segunda mão atua como um "mecanismo de recrutamento para marcas de luxo", incentivando o interesse em marcas de luxo para compradores de luxo pela primeira vez.

Os sites de revenda podem servir como ferramentas envolventes para marcas de luxo se conectarem com compradores de luxo usados ​​que ainda não têm acesso ao mercado primário de luxo e construir fidelidade com esses futuros clientes primários de luxo.

Aumente a frequência de compra e fidelidade: vendedores de segunda mão são compradores de primeira mão

Os vendedores de segunda mão são geralmente compradores em primeira mão de bens de luxo tradicionais. Ao vender seus itens de luxo de segunda mão, eles têm a capacidade de reinvestir em novos produtos de luxo de preço integral, trocá-los por itens mais caros ou comprar com mais frequência.

A maioria dos vendedores reinvestem seus ganhos de revenda na compra de novos produtos das marcas que amam. Quanto mais convicção os consumidores tiverem de que esses produtos de luxo são líquidos, mais produtos novos comprarão. ”

- Charles Gorra, cofundador da Rebag

Leia nosso artigo detalhado sobre como o valor ao longo da vida impulsiona a compra de luxo pela primeira vez para consumidores abastados para ver esse comportamento de compra crítico em ação.

2. Apoiar as metas de sustentabilidade

Como os compradores da geração Y e da Geração Z atribuem maior importância ao impacto social e ambiental de suas compras, a revenda de luxo aparece como uma forma de aumentar suas credenciais de sustentabilidade com as gerações mais jovens e impulsionar a economia do luxo circular.

Em contraste, comportamentos como destruição de estoque podem sair pela culatra aos olhos das gerações mais jovens.

Em junho de 2022-2023, por exemplo, a Burberry teve repercussão na mídia social por incinerar mais de US $ 37 milhões em produtos não vendidos para controlar seu fornecimento e proteger a exclusividade da marca. A Burberry entendeu a dica e passou a promover iniciativas de sustentabilidade como destacaremos mais adiante neste relatório.

Por oposição, a Apple abraçou o mercado de revenda de seus telefones premium por vários anos. Ele incentiva os consumidores a reciclar seus telefones antigos e comprar modelos mais novos assim que estiverem disponíveis.

3. Reunir insights úteis e valiosos

O acesso a dados perspicazes é outro motivo para as marcas de luxo entrarem na tendência de revenda. Ao colaborar ou gerenciar o mercado de revenda de luxo, as marcas de luxo podem se beneficiar do acesso a dados adicionais sobre padrões de compra e tendências subjacentes que ajudariam a eventualmente converter compradores de segunda mão para o mercado primário.

Aproveitar as comunidades de revenda de luxo de consumidores engajados também pode fornecer às marcas de luxo um feedback valioso sobre os produtos e o posicionamento da marca.

Curiosamente, as tendências de pesquisa e compra, bem como os comportamentos e preferências dos consumidores observados nas plataformas de revenda de luxo, também podem servir como indicadores de quais marcas de luxo estão em voga no mercado primário e quanto valor os itens têm. Nova ou de segunda mão, a Gucci domina o mercado de varejo de luxo como as marcas de luxo mais procuradas, como também refletido em nossa última classificação das melhores marcas de luxo online. Esse ressurgimento da popularidade entre os jovens compradores abastados foi visto em tempo real pelo The RealReal.

4. Reforçando a luta contra a falsificação

A autenticidade está no centro de qualquer empreendimento de revenda sustentável e bem-sucedido. Como toda a reputação de revenda de luxo (pelo menos para os maiores jogadores) e as bases de clientes são construídas com base na confiança e transparência, a capacidade dos revendedores de luxo online de autenticar adequadamente os produtos de luxo e garantir a qualidade de seu estoque é crítica.

Para empresas de bens de luxo, abraçar a revenda de luxo pode ajudar a assumir o controle de seus produtos durante todo o seu ciclo de vida. Em sua batalha aparentemente sem fim contra os falsificadores, as marcas de luxo agora estão se voltando para a tecnologia, incluindo o blockchain, em busca de ajuda.

A revenda de luxo também pode apoiar marcas de luxo em seus esforços anti-falsificação, oferecendo aos consumidores aspiracionais opções mais acessíveis, mas ainda genuínas.

Como se beneficiar da revenda: diferentes abordagens para marcas de luxo

À medida que o mercado de revenda cresce, as marcas de luxo estão explorando cada vez mais maneiras de aproveitar a tendência emergente - desde a parceria com plataformas de revenda de alta tecnologia até a facilitação da venda em consignação ou a construção de sua própria infraestrutura de revenda.

Os principais objetivos desses experimentos para marcas são recuperar o controle de sua imagem e posicionamento ao longo do ciclo de vida estendido do produto, adotar uma abordagem mais sustentável e obter novos fluxos de receita.

Podemos categorizar as iniciativas de revenda das marcas em dois eixos:

  • O nível de integração com o mercado primário;
  • A liderança no comando da iniciativa de revenda (empreendimento interno da marca versus controle de terceiros).

Para ilustrar melhor os vários níveis de inclusão de revenda de luxo por marcas de luxo, criamos quatro arquétipos de revenda de luxo:

  • O governante de revenda: A revenda é uma parte integrante das operações de varejo da marca. É caracterizado por um controle rígido de todo o ciclo de vida do produto.
  • O Resale Explorer: As marcas de luxo nesta categoria estão aproveitando a experiência de terceiros e endossando abertamente a revenda de luxo.
  • O Experimentador Seletivo: Uso oportunista dos canais de revenda existentes. As iniciativas de revenda são vistas como um showroom independente voltado para a sustentabilidade para adquirir consumidores aspirantes e impulsionar as vendas.
  • O reclamante hesitante: Resistentes, as marcas de luxo dessa categoria desejam exercer controle sobre seus produtos no mercado secundário, mas estão separando claramente essas iniciativas de revenda de seu mercado primário.

Ilustraremos abaixo as diferentes abordagens que as marcas de luxo estão experimentando atualmente.

1. Parceria com plataformas de revenda existentes

Algumas marcas de luxo estão testando as águas ao firmar parcerias com sites de revenda de luxo online. Algumas marcas estão discretamente colocando mercadorias não vendidas em plataformas de revenda. Stella McCartney e recentemente Burberry são algumas das poucas marcas a endossar publicamente a revenda de luxo.

Promover a revenda e impulsionar as vendas com um incentivo financeiro: Stella McCartney x TheRealReal

Em 2022-2023, Stella McCartney se tornou a primeira marca de luxo a promover a remessa de seus produtos no The RealReal. Qualquer pessoa que consignar peças Stella McCartney na plataforma de revenda recebe um crédito de $ 100 para comprar em qualquer uma das lojas de varejo da marca ou através de seu site.

Incentivando as pessoas a adotar o modelo “fazer bem, comprar bem, revender”, a parceria dá às peças de Stella McCartney uma segunda vida por meio da revenda.

Promover a revenda e impulsionar as vendas com uma recompensa experiencial: Burberry x TheRealReal

Em outubro de 2022-2023, a casa de moda britânica Burberry anunciou uma parceria com o mercado de luxo The RealReal em nome da sustentabilidade. A Burberry não fornecerá ao RealReal estoques não vendidos ou exclusivos, mas o programa piloto incentiva os clientes a consignar peças da Burberry no site de revenda de luxo para receber um exclusivo “encontro de estilismo pessoal e chá da tarde britânico” em lojas selecionadas da Burberry nos EUA.

A demanda de revenda para a marca de moda britânica aumentou 64% em 2022-2023, com pesquisas por produtos Burberry crescendo mais rapidamente entre os clientes millennial e Gen-Z do RealReal.

Uma marca tão histórica quanto Burberry abraçando a economia circular demonstra o poder do impacto da revenda no mercado de luxo e no planeta. Espero que juntos façamos parte do pioneirismo de um futuro no qual a circularidade seja uma consideração para todas as marcas de luxo. ”

- Julie Wainwright, CEO do The RealReal

Facilitando consignação / upcycling de luxo: Reformation x ThredUp

Algumas marcas de luxo estão facilitando a revenda de seus produtos por meio de parcerias como a aliança da Reformation com a ThredUp. No site da Reformation, há detalhes sobre como ThredUp funciona e quanto dinheiro alguém poderia ganhar vendendo suas roupas e acessórios usados.

Além disso, para incentivar os compradores afluentes a limparem seus armários e educá-los sobre o impacto positivo da revenda, a Reformation está dando aos clientes crédito na loja - sempre que os clientes consignam um produto de qualquer marca por meio do ThredUp.

Fusão de varejo físico e revenda: Selfridges x Vestiaire Collective

Em outubro de 2022-2023, o site de revenda Vestiaire Collective de 10 anos abriu sua primeira boutique permanente dedicada à moda de luxo na loja de departamentos Selfridges em Oxford Street, em Londres.

A boutique apresenta um inventário de segunda mão com curadoria, incluindo peças vintage raras.A loja física também possui um ponto de revenda dedicado, onde os clientes podem depositar seus próprios bens de luxo usados ​​que desejam vender por meio do Serviço de Concierge e do Aplicativo Coletivo Vestiaire em tempo real. Os compradores afluentes também podem comprar de uma edição online do Vestiaire no site da Selfridges.

Essa parceria entre a Vestiaire Collective e a loja de departamentos de alto padrão da Selfridges demonstra o quanto o mercado de revenda está se infiltrando no varejo de luxo tradicional e atesta o crescente interesse pelo luxo em segunda mão.

2. Adquirir ou investir em sites de revenda

Algumas empresas de luxo estão dando um passo adiante ao adquirir plataformas de revenda.

O varejista de luxo norte-americano Neiman Marcus, por exemplo, adquiriu uma participação minoritária no mercado de remessa online Fashionphile, marcando a entrada da loja de departamentos no mercado de revenda. O Fashionphile está oferecendo um preço de aquisição maior para os vendedores que optam por receber o pagamento como crédito na Neiman Marcus.

A Richemont - proprietária da Cartier, IWC Schaffhausen e Piaget, entre outras marcas de relógios e empresas de moda - adquiriu a Watchfinder, um mercado online do Reino Unido para relógios de luxo em junho de 2022-2023.

Já a concorrente Farfetch adquiriu a plataforma de revenda Stadium Goods.

3. Seleção de peças vintage

Audemars Piguet começou a experimentar trocas de relógios antigos da marca como trocas parciais por novos em algumas de suas butiques na Suíça. A Audemars Piguet não descarta a venda de relógios usados ​​em um futuro próximo.

É importante controlar a venda de relógios usados ​​para proteger os proprietários e o valor dos relógios já existentes no mercado, mantendo o mercado cinza sob controle

- Edouard Meylan, H.Moser & Cie

A Vacheron Constantin também assumiu algum controle sobre o mercado secundário de luxo. Com curadoria dos próprios especialistas em patrimônio da Maison, a seleção de relógios antigos é restaurada pelo relojoeiro de luxo e disponibilizada para conhecedores em eventos dedicados da Vacheron Constantin.

Em abril de 2022-2023, em um compromisso com a moda circular, a GUESS lançou o programa #GUESSVintage, uma coleção com curadoria de mais de 150 peças vintage autenticadas da GUESS provenientes de todo o mundo. O sortimento vintage para os clientes amantes da nostalgia foi vendido exclusivamente na loja Fred Segal, com sede em Los Angeles, por um período limitado de tempo.

Em outubro de 2022-2023, Ralph Lauren lançou o Re / Sourced em colaboração com o aplicativo Depop do mercado de moda do Reino Unido. Proveniente de vendedores do Depop, a coleção com curadoria exclusiva de produtos vintage estava disponível para compra por um tempo limitado em um espaço pop-up na loja principal da Ralph Lauren New Bond Street em Londres.

4. Varejistas de luxo multimarcas fazendo experiências com a construção de plataformas de revenda

O varejista on-line de luxo multimarcas Farfetch lançou em maio de 2022-2023 um programa piloto de revenda de bolsas de grife chamado Second Life. Os clientes que usam o secondlife.farfetch.com podem trocar suas malas de luxo pré-amadas em troca de créditos a serem usados ​​em futuras compras na Farfetch.

A Farfetch também estendeu sua oferta de moda de luxo para incluir peças de segunda mão no site principal, onde as pessoas podem, nas próprias palavras da Farfetch, "encontrar peças raras que irão aumentar instantaneamente e indefinidamente o seu crédito nas ruas".

5. Lançamento de uma plataforma de revenda monomarca

Para marcas de luxo que lançam seus próprios serviços de revenda, isso lhes daria maior controle sobre preços, disponibilidade, autenticação e posicionamento da marca no mercado secundário.

Também geraria novos fluxos de receita. Mas administrar internamente o modelo de revenda de luxo também envolveria um novo conjunto de logística e investimentos.

Para consumidores abastados, sites de revenda de luxo de propriedade de marcas podem expandir a oferta e construir ainda mais confiança em produtos de segunda mão.

A marca de luxo para exteriores Arc’teryx lançou o Rock Solid para comprar de volta os produtos Arc’teryx usados ​​dos consumidores. A marca então recondiciona esses itens usados ​​e os vende a preços promocionais.

A Apple facilitou a troca de um dispositivo elegível em uma loja ou online. Os clientes simplesmente precisam responder a algumas perguntas sobre o dispositivo para que a Apple forneça um valor de troca estimado instantâneo. Os clientes podem enviá-lo por correio usando um kit de troca pré-pago ou trazê-lo para um cartão-presente da Apple Store ou crédito instantâneo em uma loja da Apple. O programa de troca da Apple nem sempre oferece os melhores preços, mas para quem compra um novo iPhone, vale a pena considerar.

A Apple também administra sua própria loja online reformada, onde vende dispositivos usados ​​por menos (economia de até 15%).

Plataformas de revenda com etiqueta branca para marcas

Usando os serviços de revenda com etiqueta branca da Yerdle, Eileen Fischer, a popular designer de roupas esportivas, oferece aos consumidores a possibilidade de negociar itens usados, que a marca então vende como parte de seu comércio de segunda mão (Eileen Fisher Renew). Yerdle capacita a logística do armazém (incluindo preços, quantidades de pedidos e sortimentos de merchandising) e experiência em recommerce.

E para produtos que não estão de acordo com os padrões de revenda, Eileen Fisher reaproveita o material para fazer novos designs ou remodelado em outros produtos que são vendidos como edições limitadas.

Após o sucesso do programa de revenda online, a marca está agora adicionando Renew shop-in-shops em algumas de suas lojas.

Considerações finais: algo antigo, algo novo

Embora o mercado de bens de luxo pessoais de segunda mão seja hoje relativamente pequeno em comparação com todo o mercado de luxo, sua crescente influência no mercado primário é suficiente para que as marcas de luxo percebam.

À medida que as atitudes em relação à propriedade e à sustentabilidade continuam a evoluir, o impulso do mercado de revenda de luxo provavelmente continuará a crescer.

Dado que o luxo de segunda mão está crescendo, quer as marcas de luxo o aprovem ou não, adotar uma abordagem favorável à revenda de luxo é, portanto, uma consideração comercial importante.

Se as marcas de luxo desejam manter algum nível de controle de marca e qualidade no mercado secundário, desempenhar um papel ativo na revenda será fundamental para aumentar o valor de vida do cliente.

Muitas marcas de luxo ainda estão apenas mordiscando as bordas do mercado de revenda de luxo. Será interessante ver como as principais marcas de luxo se aproximam do mercado de revenda. Resta ver se a maioria das marcas de luxo optarão por alianças estratégicas com revendedores ou se tentarão aumentar os modelos de revenda por conta própria ou com o suporte de tecnologia de terceiros. Se as marcas de luxo pegassem de volta apenas uma fração de seus itens em circulação e fizessem a revenda de luxo por conta própria, isso mudaria todo o cenário de usados.

Uma coisa é certa, no entanto: impedir os consumidores de revender seus produtos de luxo pré-amados autênticos e impedir os clientes de comprar esses produtos a preços promocionais é missão impossível.

No fim do dia, os claros vencedores do boom do luxo usado serão aqueles que possuem o relacionamento com o cliente.

  • 2022-2023 True - Luxury Global Consumer Insight, por BCG-Altagamma, 17 de abril de 2022-2023
  • Por que as marcas de luxo deveriam celebrar o boom de usados, por BCG x Vestiaire Collective, outubro de 2022-2023
  • Chanel, Inc. v. The RealReal, Inc. (1: 18-cv-10626), Tribunal Distrital, S.D. Nova york.
  • The New Normal: Luxury in the Secondary Market, de Charles Gorra, Harvard Business School
  • Relatório de revenda de luxo 2022-2023, por The RealReal
  • Neiman Marcus Group torna-se o primeiro varejista de luxo a investir no mercado usado, pelo Neiman Marcus Group, BusinessWire, 17 de abril de 2022-2023
  • LVMH, ConsenSys e Microsoft anunciam AURA, um consórcio para impulsionar a indústria de luxo com tecnologia blockchain, comunicado à imprensa da ConsenSys, 16 de maio de 2022-2023
  • Apoie a economia circular. Compre e consigne de forma sustentável, por The RealReal
  • Prolongue o ciclo de vida dos itens de luxo. Junte-se ao movimento de remessa, por The RealReal
  • Burberry e The RealReal unem forças para tornar a moda circular, pela Burberry, 7 de outubro de 2022-2023
  • ThredUp Resale Report 2022-2023, por ThredUp
  • A Vacheron Constantin alista as habilidades do consórcio Arianee para desenvolver seu certificado digital de autenticidade usando a tecnologia Blockchain, pela Vacheron Constantin, 18 de junho de 2022-2023
  • Farfetch lança serviço de revenda de piloto de bolsas, Farfetch Second Life, por Farfetch, 13 de maio de 2022-2023
  • The RealReal I.P.O .: Secondhand Fashion Goes Mainstream, por Sapna Maheshwari, New York Times, 27 de junho de 2022-2023
  • Ralph Lauren e Depop lançam “Re / Sourced” uma coleção com curadoria exclusiva que celebra o Polo vintage, 21 de outubro de 2022-2023

Créditos da imagem: Marcas e Luxe Digital

Você vai ajudar o desenvolvimento do site, compartilhando a página com seus amigos

wave wave wave wave wave