A edição do futuro: 6 tendências críticas de luxo para se manter à frente em 2022-2023

Este artigo faz parte de uma minissérie sobre o futuro do luxo. Descubra como o digital está transformando o mundo do luxo e moldando as novas expectativas dos consumidores.

  1. O ano em análise: o melhor do luxo em 2022-2023. Uma seleção com curadoria das melhores histórias de 2022-2023.
  2. A edição do futuro: 6 tendências críticas de luxo para se manter à frente em 2022-2023. Uma abordagem opinativa sobre as tendências mais importantes para envolver os consumidores abastados.

2022-2023 foi mais um ano de sólido crescimento para a indústria de luxo. A maioria das marcas sofisticadas teve vendas significativas à medida que seus investimentos em digital começaram a dar frutos. As marcas mais voltadas para o futuro estão, de fato, dominando nossa classificação das marcas de luxo mais procuradas do mundo. Eles estão bem encaminhados para atingir nossa projeção para 2025, com pelo menos 20% de suas vendas totais estimadas para ocorrer online.

Em 2025, quase um quinto das vendas pessoais de luxo ocorrerá online.

2022-2023 não será tão brilhante, no entanto. As incertezas macroeconômicas assomam ao longo do ano. Com a China sendo um importante impulsionador das vendas globais de bens de luxo, a indústria estará entre as primeiras vítimas de um ambiente de comércio global em deterioração.[1]

Além disso, uma disparidade crescente de ganhos no Ocidente, combinada com uma mudança de geração entre os consumidores de luxo, está fazendo com que os clientes abastados procurem uma abordagem nova e diferente para o luxo.

Precisamos reconhecer o fato de que em um determinado ponto vamos desacelerar, não podemos continuar crescendo 50-60% ao mês, é impossível.

MARCO BIZZARRI, CEO DA GUCCI

Os consumidores ricos irão, de fato, favorecer a privacidade e a segurança até 2022-2023.[2] A Bain & Company também descobriu que quase metade de todos os consumidores, e crucialmente a maioria dos Millennials, estão comprando menos produtos e mais experiências.[3] Caso em questão, a Euromonitor espera que a economia da experiência, que inclui lazer, recreação, viagens e serviços de alimentação, cresça de US $ 5,8 trilhões em 2016 para US $ 8 trilhões em 2030.[4]

As marcas de luxo precisarão oferecer uma nova gama de serviços e experiências para atender às novas expectativas da indústria.

6 tendências críticas para se manter à frente em 2022-2023

Então, em que as marcas de luxo devem se concentrar em 2022-2023 para se manterem relevantes e se envolverem com seus consumidores abastados? Analisamos as seis tendências mais críticas que separarão os vencedores dos perdedores nos próximos anos.

1. Novos jogadores, novo manual

O luxo não está mais restrito às marcas tradicionais. Em vez disso, vemos uma proliferação de novos participantes digitais e marcas de nicho que estão tomando conta da indústria de luxo. Essas marcas digitais nativas inovadoras tendem a ser mais capazes de atender às expectativas em constante mudança dos consumidores modernos e abastados.

Esperamos ver o surgimento de novas marcas de luxo voltadas especificamente para várias tribos de consumidores. As marcas de luxo legadas, portanto, precisarão passar da ultra-exclusividade para um novo sabor de inclusão para se alinhar a essa mudança social. Essas marcas de luxo que priorizam o digital realmente não têm sistemas e processos legados que as impedem, o que significa que podem inovar rapidamente.

A ascensão desses desafiadores de luxo promete abalar ainda mais o tradicional mercado de luxo à prova de balas. Para marcas de luxo, é hora de reforma, ou então.

2. Além da pureza da marca

Será interessante em 2022-2023 prestar muita atenção à "contaminação" entre setores (colaborações ou novas ofertas que ampliam o DNA da marca em vez de distorcê-lo) e profundas mudanças culturais e como elas estão afetando as casas de luxo mais tradicionais. Os silos estão se rompendo. Em parte, é por isso que você vê varejistas de luxo como Net-a-Porter, Saks Fifth Avenue ou Neiman Marcus vendendo produtos de bem-estar.

As marcas de luxo estarão cada vez mais alcançando fora de seu setor de colaborações cápsula a nomeações de talentos criativos estratégicos e novos modelos de negócios.

Consumidores ricos também são não são mais “compradores de luxo absolutos”. Em vez disso, eles cada vez mais misturam e combinam o alto com o baixo. Essa tendência parece atender à necessidade dos consumidores abastados modernos de expressar seu próprio estilo, ao invés dos marcadores tradicionais de luxo.

Isso também significa que continuaremos a ver mais colaborações fora da fronteira tradicional de luxo. Outro ponto interessante a se destacar é o crescimento do aluguel de luxo (como o Rent the Runway, que oferece acesso a roupas e acessórios de luxo por meio de assinatura).

3. Mente milenar

Para permanecerem relevantes no contexto moderno, as marcas de luxo irão se concentrar ainda mais no consumidor individual e abraçar interpretações progressivas da ideia de luxo. Mais do que simplesmente uma mudança demográfica, as marcas de luxo que irão além dos esforços direcionados às gerações para entender completamente a mentalidade dos novos consumidores de luxo modernos serão recompensadas.

Consumidores com mentalidade milenar são as novas forças motrizes do luxo. Sua influência, motivações, comportamentos e valores continuarão a redefinir o luxo em cada ponto de contato em sua complexa jornada de compra - desde o posicionamento da marca até o desenvolvimento de produtos sustentáveis, operações de negócios e estratégia de marketing.

4. Personalização em escala

As marcas de luxo se tornarão cada vez mais personalizadas e convenientes. Os compradores de luxo buscam experiências digitais e físicas perfeitas. Eles esperam que suas interações online com uma marca correspondam a sua experiência offline de primeira classe. Como resultado, as marcas de luxo precisam projetar um ecossistema omnicanal impecável.

Em 2022-2023, isso incluirá mais experimentação com tecnologias conectivas, como Realidade Aumentada (AR) e Inteligência Artificial (IA). A mídia social também continuará a desempenhar um papel fundamental na geração de valor, contribuições do consumidor crowdsourced e inspirações criativas.

5. Sustentável é fundamental

As histórias que as marcas de luxo contam também vão além do estilo de vida aspiracional de seus consumidores. Eles serão mais baseados na autenticidade e na responsabilidade social. Essa ênfase em experiências guiadas por valor cria novas oportunidades para envolver os consumidores abastados, fazendo uma contribuição significativa para seus estilos de vida, ao mesmo tempo em que impulsiona uma mudança positiva no mundo.

Mais marcas estarão investindo em práticas sustentáveis ​​e éticas para satisfazer a demanda de seus consumidores abastados. É por isso que temos visto um número crescente de marcas de luxo como Gucci, Michael Kors e Diane Von Furstenberg anunciando seu recente compromisso com práticas de moda mais éticas, incluindo o fato de não usar peles.

Os consumidores modernos e abastados cada vez mais compram com propósito. Eles são movidos por um compromisso com a sustentabilidade, exigem rastreabilidade e transparência em suas compras e escolhem marcas que geram mudanças positivas. Os consumidores abastados querem marcas de luxo com histórias de fundo significativas. Como resultado, as marcas de luxo precisarão falar mais sobre seus compromissos com a sustentabilidade e as práticas éticas.

6. Diversidade inclusiva

Finalmente, a diversidade e a fluidez de gênero estão ganhando impulso. Esperamos ver mais marcas de luxo experimentando fora dos limites tradicionais do que é "para homens" e do que é "para mulheres" e celebrar a diversidade. Casas de moda de luxo como Louis Vuitton, Burberry e Dior já começaram a abraçar essa filosofia. A Chanel também acaba de lançar sua linha de maquiagem masculina, Boy de Chanel, que provavelmente será seguida pelo resto da indústria.

  1. Como a Europa se tornou uma potência no luxo, por Rachel Sanderson, Financial Times, 15 de outubro de 2022-2023.
  2. 4 megatendências à frente para o mercado de luxo em 2022-2023: espere turbulência e desaceleração nas vendas, por Pamela N. Danziger, Forbes, 18 de dezembro de 2022-2023.
  3. Firmas estabelecidas tentam dançar ao som de uma melodia milenar, The Economist, 4 de outubro de 2022-2023.
  4. Megatendência: experimente mais, Euromonitor Research, 2 de novembro de 2022-2023.

Você vai ajudar o desenvolvimento do site, compartilhando a página com seus amigos

wave wave wave wave wave